Eugênio Bucci

Eugênio Bucci, jornalista, graduado em comunicação social e direito pela Universidade de São Paulo, é professor titular da Escola de Comunicações e Artes da USP (Departamento de Informação e Cultura). É membro do conselho do IdEA (Instituto de Estudos Avançados), da Unicamp. Foi membro do conselho do Instituto de Estudos Avançados da USP e, de 2015 a 2018, foi superintendente de comunicação social da mesma universidade. Na editora Abril, exerceu as funções de repórter, editor, editor sênior, diretor de redação e, finalmente, secretário editorial. Foi presidente da Radiobrás durante o primeiro governo Lula (de 2003 a 2007). Foi colunista de várias publicações brasileiras e, atualmente, é articulista quinzenal em O Estado de S. Paulo. Recebeu, entre outros, o Prêmio Luiz Beltrão (na categoria “Liderança Emergente”, concedido pela Intercom (2011); Prêmio Excelência Jornalística, na categoria Opinião, da Sociedad Interamericana de Prensa (2012); Prêmio Esso, na categoria “Melhor contribuição à imprensa” pela revista de jornalismo ESPM, da qual é secretário do conselho editorial (2013), e o Prêmio Tese Destaque, na USP, por ter orientado a melhor tese de 2016 na área de Ciências Sociais Aplicadas (2017). Como consultor da Unesco, escreveu, com Marco Chiaretti e Ana Maria Fiorini, o paper “Indicadores de qualidade em emissoras públicas”, publicado em português, espanhol, inglês e francês. É autor de vários livros e ensaios, entre os quais O Estado de Narciso – a comunicação pública a serviço da vaidade particular e A Forma Bruta dos Protestos, ambos pela Companhia das Letras. Participou de 13 dos ciclos de conferências organizados por Adauto Novaes.

Participou das seguintes coletâneas: Libertinos libertários, Civilização e barbárie, Muito além do espetáculo, Vida Vício Virtude, Mutações: a condição humana, Mutações: o novo espírito utópico, Mutações: fontes passionais da violência.